object(WP_Post)#9597 (24) { ["ID"]=> int(32461) ["post_author"]=> string(1) "1" ["post_date"]=> string(19) "2024-03-13 10:06:51" ["post_date_gmt"]=> string(19) "2024-03-13 13:06:51" ["post_content"]=> string(4225) "

Uma verdadeiro roteiro de cinema. É assim que podemos definir em poucas palavras a trajetória de Thiago Pereira pelas piscinas. Você até pode conhecer o final dessa história, mas talvez nem saiba o que motivou o atleta a mergulhar fundo nas águas.

O início de tudo se deve a uma quase fatalidade que poderia ‘acabar’ com a família Pereira. Quando tinha um ano e meio, Thiago pulou na piscina enquanto sua mãe tomava banho.

Thiago poderia facilmente ter um trauma de piscinas e nunca mais querer entrar em uma na sua vida, mas o que aconteceu foi justamente o contrário. No dia seguinte do incidente, o pequeno já estava matriculado nas aulas de natação.

Com o passar dos anos, o menino até tentou a sorte com a bola nos pés, mas não levava jeito. Não adiantava fugir, o seu destino era mesmo triunfar sob as águas.

Vai, Thiago! Era assim que a mãe do nadador o incentivava a cada vez que pulava na piscina para competir. O grito era tão forte que o atleta passou a ser reconhecido com a seguinte frase: Ah, você é aquele cara da mãe que grita, não é?

Com 12 anos e já se destacando na modalidade, Thiago foi contratado pelo Minas Tênis Clube. Quatro anos depois, conquistou sua primeira medalha de ouro nos Jogos Sul-Americanos de 2002 em Belém, no 200m peito.

Ainda sem alcançar a maioridade, Thiago foi finalista olímpico dos Jogos de Atenas, em 2002, com 17 anos. Mas em uma profissão que ‘só a medalha interessa’, a cobrança acaba sendo excessiva, principalmente do próprio atleta.

Essas foram algumas das vezes que Thiago ‘bateu na trave’. Para seguir em frente, é necessário muita resiliência e determinação. Mas isso você já viu que nunca faltou para ele.

A recompensa — ou pelo menos uma parte dela — veio nas Olímpiadas de Londres, em 2012, quando Thiago conquistou a medalha de prata nos 400m medley, deixando pra trás ninguém mais ninguém menos que Michael Phelps.

Para quem quase morreu quando bebê, não é nada mal ter 23 medalhas de Pan-Americanos (sendo 15 de ouro) e ser o maior medalhista da história do torneio, além de outras surpreendentes marcas em sua carreira.

" ["post_title"]=> string(35) "De quase afogado a nadador vencedor" ["post_excerpt"]=> string(0) "" ["post_status"]=> string(7) "publish" ["comment_status"]=> string(6) "closed" ["ping_status"]=> string(6) "closed" ["post_password"]=> string(0) "" ["post_name"]=> string(35) "de-quase-afogado-a-nadador-vencedor" ["to_ping"]=> string(0) "" ["pinged"]=> string(0) "" ["post_modified"]=> string(19) "2024-03-14 09:59:34" ["post_modified_gmt"]=> string(19) "2024-03-14 12:59:34" ["post_content_filtered"]=> string(0) "" ["post_parent"]=> int(0) ["guid"]=> string(44) "https://thenews.waffle.com.br/sem-categoria/" ["menu_order"]=> int(0) ["post_type"]=> string(4) "post" ["post_mime_type"]=> string(0) "" ["comment_count"]=> string(1) "0" ["filter"]=> string(3) "raw" }